07
Set 10

-Catarina? Estás aí? Catarina! – Dizia Lúcia no intercomunicador do prédio.
-Catarina abre a porta!! – Gritava David.
A vizinha do primeiro direito veio à varanda ver o que se passava.
-Quem está para aí a gritar? Ah, David! Felicidades pelo casamento! Faz a Catarina muito feliz. Olá Lúcia e Ricardo! Se estão à procura da Catarina ela já saiu. Foi com a Patrícia.
-Com a Patrícia!? Tem a certeza?
-Absoluta. Foi com a maluquinha. Porquê meu queridos? Achei estranho ela ir com a Patrícia, ainda por cima iam carregadas.
-Obrigada.
-Então e agora? – Perguntava David.
-Se conheço bem a Patricia elas foram acampar. Para irem carregadas. Nem a Patrícia nem a Catarina tinham dinheiro para irem para um hotel. Nem para uma pensão! – Ricardo olhava para Lúcia que até dava uma boa inspectora. Ela tinha razão. Tinham que procurar em todos os parques.
-Esperem aí! Nós não podemos procurar em todos os parques do pais!
-Mas podemos ligar. – Dizia Henrique a Ruben.
-Sim! É uma óptima ideia!
-David, é de doidos! Há imensos parques em Portugal. E nós nem sabemos se elas estão mesmo num parque. Quem era o maluco que ia para um parque com este tempo?
-Gustavo, não me importa. Nem que eu tenha que correr este pais todo. Eu quero a Catarina e vou lutar para isso.
-Ok, então vamos para a casa da minha mãe. É já ali à esquina. – Dizia Ricardo.
-Então vamos andando. Foram a pé e chegaram à casa da mãe do Ricardo passados dois minutos. A chuva tinha dado algum descanso e agora tinham que telefonar a todos os parques.
-Não faz sentido telefonarmos a todos. Telefonamos agora aos que estão mais pertos e depois vai-se avançando. – Dizia Henrique.
-Sim. Bem pensado.

Três horas depois…

-Patrícia Silvino? Sim… Quantas pessoas estão? Seis? Veja se há uma Catarina Silva. Não? Então não deve ser a mesmas pessoas… Obrigada.
-Então?
-Era uma Patricia Silvino mas a Catarina que havia era Catarina Marinho.
-Ah.. Por pouco… - Respondia Henrique a Lúcia. Quando todos olharam para David. Que sorria pela primeira vez.
-Ela usou o meu ultimo nome.
-Como assim?
-Catarina Marinho. Eu sou David Marinho.
-Espera aí, tu não és David Luiz?
-Sim, mas esse é o meu segundo nome.
-Então onde era esse parque?! Vamos lá!!
-Era em Sesimbra… Forte do Cavalo.
David não conseguiu conter-se e sorriu outra vez mas desta vez os seus olhos brilhavam. Catarina estava no sitio onde eles se tinham beijado pela primeira vez e o mesmo sitio onde David tinha pedido em casamento ela.
-Vamos lá então. – Dizia David.
-Não, não podemos.
-Porquê Ruben?
-Daqui a uma hora temos treino e sabes como a Catarina é. Pensa no que ela quer, ela quer que vás ao treino. Depois vais… Para além disso, já sabemos onde ela está e isso é que é importante.
-Eu quero lá saber do treino!
-David, o Ruben tem razão. A Catarina queria isso. Vai com eles.
-Ok… Depois à noite vou ter com ela.
-Sim David, mas agora vamos comer. Até já malta. Obrigada por tudo.
-Obrigada.
Seguiu-se os despedimentos de todos. David tinha o lábio inchado, ainda não tinha comido nada mas se fosse por ele já estava a caminho do Forte do Cavalo para dizer tudo o que se passou a Catarina. David ouve o seu telemóvel a tocar. Era a mãe de Catarina.
-Sim?
“David, a Catarina esteve aqui em casa levou roupa e deixou um bilhete. O que se passa?”
-Não se preocupe. Está tudo bem. Ela está com uma amiga. Ela chateou-se comigo. Eu depois falo com você. Vou conduzir agora, mas se telefonar à Lúcia ela conta-lhe tudo…
“Ok David. Adeus.”
-Adeus.
David não ia conduzir logo mas não teve coragem de dizer à mãe a condição em que estava a sua filha. Lúcia iria saber o que fazer.

*

-Catarina onde vais a esta hora da noite?
-Vou dar uma volta. Talvez ao cabo…
-Queres companhia?
-Não, gostava de ir sozinha se não te importas…
-Claro Catarina… Ainda é um bom esticão até lá.
-Não me importo. Vai-me fazer bem.
-Ok… Até já então. Se precisares de ajuda liga.
-Não tenho telemóvel.
-Leva o meu. – Mandava Patrícia para as mãos de Catarina o seu telemóvel.
-Obrigada. – A tarde tinha sido animada. Eu não ria, mas ao menos também não chorava. O que já era óptima noticia. Entrava no carro de Patrícia, o que já tinha dado a volta a Portugal mais do que uma vez. Já tinha feito o caminho até o parque agora eram só 13 quilómetros. Cheguei ao cabo era quase nove horas da noite, já estava escuro e pareciam ser já dez ou mais. Fui para o sitio onde David me tinha pedido em casamento. Não queria chorar mas não resisti. Sentei-me no chão e levei as mãos à cabeça. Soltei um grito que até no Brasil devem ter ouvido. Um grito de raiva, de dor, de sofrimento. Um grito a pedir ajuda. O cabo estava vazio como estava a maior parte dos dias de inverno. Apetecia-me ir à ponta do cabo mas era perigoso. Mas neste momento já não sentia mais nada sem ser dor. Se caísse, não ia fazer falta a ninguém. Caminhei até à ponta do cabo, levantei os braços e senti o vento, a água do mar que estava tão forte com bocadinhos de água chegavam à minha cara. A lua não se via, estava coberta por nuvens. Apetecia-me mandar-me dali, daquela altura e daquela maneira só para ver o que me acontecia. Já estava morta por dentro, agora a Catarina era só um corpo a andar para trás e para a frente. A soltar sorrisos amarelos e a desejar que o dia passasse o mais rapidamente possível. Todos os dias a partir daquele iam ser iguais, monótonos, sem alegria. O melhor era acabar com esse sofrimento ali e agora. Voltei a olhar para o anel de noivado, voltei a pensar na perfeição que tinha sido há dois dias e na perfeição do anel. As palavras que ele me tinha dito. Recordei-me de todos os bons momentos que me passaram pela cabeça em segundos. Sorri para os céus e agradeci a Deus aqueles meses de sonho.
-Amo-te David. – Disse ao mesmo tempo que fechava os olhos e a minha perna direita dava o primeiro passo para o que seria a minha morte. Naquele sitio tinha dado o primeiro beijo da minha história com David, tinha ficado noiva e agora ia morrer. Algo ainda mais trágico do que o romance de Romeu e Julieta.
-Não! Catarina! – Alguém me puxou para trás. Não vi bem quem mas ao puxar-me para trás fez-me cair e bati com a cabeça numa pedra. – Catarina, você está a deitar sangue. – Abri os olhos lentamente, estava zonza e não conseguia focar a imagem mas conhecia aquele cheiro muito bem, era David.
-Cheguei ao céu?
-Não! Você não vai a lado nenhum sem mim. Anda. Vou-te levar ao médico. – Não ouvi mais
nada, os meus olhos fecharam e não senti mais nada.

publicado por acordosteusolhos às 21:32

comentários:
Tou a adorar. Tu és realmente fantástica a escrever. Quando postas mais?
Anónimo a 8 de Setembro de 2010 às 16:16

Olá querida requerente

Eu sou o Sr. Caça pelo nome e eu sou o dono da Dan Loan Finanças em todo o mundo. Dentro
honra dos meus grandes obras, eu gosto de você saiba que eu faço todos os tipos de empréstimo que você
jamais poderia pensar em uma baixa taxa de juros de 3%.

Apressar agora e aplicar para o empréstimo com urgência para que possa obter o empréstimo
da execução.

Contacte-nos hoje em: danloanfinances@yahoo.com

Aplicar para o empréstimo hoje e chegar mais rápido como você quer.

Sr. Caça
mr dan hunt a 23 de Fevereiro de 2016 às 14:55

mais sobre mim
arquivos
2011

2010

arquivos
2011

2010

Música da Mena
Deixo aqui a nossa GRANDE cantora do chat, a Mé :b
Agradecimentos
Queria agradecer a todos que lêem a minha fan fic. Queria também agradecer ao blog http://23davidluiz.blogspot.com/ por publicar a minha fan fic e também ao blog http://david-luiz-fans.blogspot.com/. Muito obrigada a todos *
Críticas
Façam comentários com críticas, sejam elas positivas ou negativas. É com os erros que se aprende ;)